domingo, 24 de Junho de 2012

quinta-feira, 21 de Junho de 2012

segunda-feira, 18 de Junho de 2012

Casa Bernardo Today




O que não é pedra é luz







  The Ozzy Project and  Association  P. Bernard presents on  June 30, 2012 the exhibition, O que não é pedra é luz  Joana Montez, João Belga, Pedro Bernardo and Pedro Cá. The exhibition is divided into two stages: the first in at Casa Bernardo, which opens at 17h, and the B  in Museu Bernardo, which opens at 22h. The title, O que não é pedra é luz , the poem was taken   from Octavio Paz´s  PEDRA NATIVA, and the exhibition aims to show the work of four artists living in the city of Caldas da Rainha and how this work addresses issues of  making art , the marginal major centres and halls. It is a demand for modern speech while unique and new programs for art to promote the existence of the peripheries. This exhibition is also to draw a portrait of subcultures that emerged in the post April 25, with the onset of globalization, and that carried with it´s new creative values, as do it yourself, to this day.  The exhibition, O que não é pedra é luz, the project Caldas da Rainha Hardcore has the support program for artistic creation of the Calouste Gulbenkian Foundation and the Municipality of Caldas da Rainha.  

 Ozzy Project, Caldas da Rainha, in June 2012.

sábado, 16 de Junho de 2012

sexta-feira, 15 de Junho de 2012







Associação P. Bernardo  apresenta a exposição 
O que não é pedra é luz por Ozzy Project





















 Dia 30 de Junho de 2012 a exposição colectiva, O que não é pedra é luz, de Joana Montez,  João Belga, Pedro Bernardo e Pedro Cá. A exposição está dividida em dois momentos; o lado A na Casa Bernardo, que inaugura às 17h, e o lado B no Museu Bernardo, que inaugura às 22h. .


O título, O que não é pedra é luz, foi retirado do poema PEDRA NATIVA de Octávio Paz e a exposição pretende mostrar o trabalho desenvolvido por 4 artistas residentes na cidade das Caldas da Rainha e a forma como esse trabalho aborda questões do fazer artístico, marginal aos grandes centros e salões. É a procura de um discurso contemporâneo, ao mesmo tempo singular, e de novos programas artísticos que promovam a existência de periferias.
Esta exposição é também o traçar de um retrato de subculturas que emergiram no pós 25 de Abril, com o despontar da globalização, e que transportaram consigo novos valores criativos, como o do it yourself, até aos nossos dias.

A exposição, O que não é pedra é luz, resulta do projecto Caldas da Rainha Hardcore e conta com o apoio do programa da Fundação Calouste Gulbenkian para a valorização e divulgação artísticas.

quinta-feira, 14 de Junho de 2012

quarta-feira, 6 de Junho de 2012
























Nós todos 
e cada um de nós
-Sabem quantas pessoas tem havido desde o princípio do mundo até hoje?
-Duas.Desde o princípio do mundo até hoje não houve mais do que duas pessoas:uma chama-se humanidade e a outra o indivíduo.
Uma é toda a gente a outra uma pessoa só.
Um dia perguntaram a Demócrito como tinha chegado a saber tantas coisas.
Respondeu:perguntei tudo a toda a gente.
Bastantes séculos mais tarde Goeth confessou por sua própria boca que “se lhe tirassem tudo quanto pertencia aos outros, ficava com muito pouco ou nada”
 Por aqui se  vê que cada um é o resultado de toda a gente; o que de maneira nenhuma
quererá dizer que seja o bastante ter cada qual conhecido toda a gente para que resulte imediatamente um Demócrito ou um Goeth! Precisamente o difícil não é chegar aos Grandes,mas a si próprio!... Ser o próprio é uma arte onde existe toda a gente e que raros assinaram a obra-prima.
O que está fora de dúvida é que cada um deve ser como toda a gente, mas de maneira que a humanidade tenha efectivamente um belo representante em cada um de Nós.