terça-feira, 20 de Outubro de 2009

video






Mondrian
assemblage

Data 1997
Materias rolos de fotografia pintados
Dimensões- 66x108cm

Pedro Bernardo
Caldas da Rainha 1970

segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

Hoffnung
Casa Bernardo


Um museu é o sítio onde nos apropriamos da arte que, sem que nos pertença, passa a ser “nossa”.
Pedro Bernardo reuniu, desde sempre, pela generosidade dos seus amigos artistas uma colecção de arte contemporânea.

Num primeira fase mostrou as obras que hoje fazem parte do acervo do Museu Bernardo, então instalado nos vários andares do prédio onde habita nas Caldas da Rainha. Este projecto inicial reinterpreta-se hoje na Casa Bernardo, uma vivenda construída pelo seu bisavô na Rua Mestre Armando Escoto, nos anos 40 do século passado, em terrenos hoje contíguos aos Museus da cidade.

A Casa Bernardo abre-se à vida que pulsa na cidade e integra a rua onde os habitantes vão fazendo parte da vida do museu, activando as suas próprias vidas e gerando dinâmicas onde as muitas expressões contemporâneas se confrontam e alimentam com as existentes na vivência do bairro.

Hoffnung, Esperança, é a primeira exposição deste novo espaço museológico independente, guiado pelo mesmo princípio que definiu o projecto original – a arte pela arte, o confronto do instituído com o emergente, a irreverência de quem observa à sua volta e sabe proporcionar o diálogo entre a arte e a cidade.

Quase referência arqueológica do edifício, encontramos a primeira obra da exposição no muro da entrada – o grafitti “groove” pintado nos inícios dos anos 90 por João Paulo Feliciano e o grupo que então semeava na cidade as referências pioneiras que a colecção Bernardo hoje preserva e integra no seu acervo. Na esquina à entrada, depois do portão, uma escultura de Filipe Feijão ergue-se da calçada como um paralelepípedo não contido na trama dos restantes.

O vizinho, Henrique Cabaços (n.1928), reproduziu nos anos 50 uma pintura que o bisavô Bernardo tinha na parede. Mostram-se na exposição, lado a lado, o original e a cópia. Na mesma sala, Jorge Feijão e sua filha Francisca (n. 2001) – confrontos inesperados que convidam à discussão e reflexão do papel da Arte e da Cultura na vida de todos nós.

Participam também na exposição AARS,Ana Menezes, Autor Desconhecido, Daltonic Brothers, David Extberria, Concha Rozas, Eunice Artur, João Belga, Ferreira da Silva, Filipe Feijão, Flávia Vieira, Francisca Feijão, Francisco Vidal, Gil Kalisvaart, Henrique Cabaços, Ivo Andrade, João Francela, João Fragoso, João Paulo Feliciano, Jorge Feijão, Jorge Maciel, José Manuel Rodrigues, José Pires, Lara Portela,Lourenço Lomelino, Luis Favas, Luis Gomes, Luís Nobre, Orlando Franco, Paula Nobre, Paulo Tuna, Pedro Amaral, Pedro Bernardo, Pedro Cá, Pedro Falcão, Pedro Montez, Peter Nielsen, Ricardo Norte/ Jorge Neves, Maria Bicas Pereira, Marisa Benjamin, Miguel, Lopes, Miguel Macedo, Miguel Telles da Gama, MKB, Nelson Crespo, Nuno Bettencourt, Nuno Vicente, Tiago Baptista, Tiago Mestre, CYAP, uiu, Valter Vinagre, Vanda Madureira, Vítor Reis, Xana Barata.



Hoffnung é a primeira exposição da Casa Bernardo. Na continuação de um projecto que nela agora se corporiza. Projectando-se para o futuro e para as iniciativas que aí vêm.

IL GURU


" IL GURU ", 152x192. acrílico/tela ,2003

Pedro Amaral
Lisboa, 1960

sexta-feira, 9 de Outubro de 2009

terça-feira, 6 de Outubro de 2009

quinta-feira, 1 de Outubro de 2009

Fotos by Paula Nobre




Fotos by Paula Nobre
em 01/10/2009